terça-feira, 9 de julho de 2013

Janta de inverno

Quando percebi que as conversas findaram
Inda havia um fiapo de esperança.
Que o amor ali era eterno,
Mas as recíprocas viviam em mim,
Num pra sempre de espera...
As flores murchavam
E a paciência seguia magrinha
Mas havia o trato
Que tudo se resolveria
Numa tarde de primavera
E assim seguia uma vida
Com desleixo e tristeza
Vivendo como quem sabe
Ter a morte sobre a mesa.

2 comentários: