sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Eu apenas queria que você soubesse
Que aquela alegria ainda está comigo
E que a minha ternura não ficou na estrada
Não ficou no tempo presa na poeira
Eu apenas queria que você soubesse
Que esta menina hoje é uma mulher
E que esta mulher é uma menina
Que colheu seu fruto, flor do seu carinho
Eu apenas queria dizer a todo mundo que me gosta
Que hoje eu me gosto muito mais
Porque me entendo muito mais também
E que a atitude de recomeçar é todo dia e toda hora
É se respeitar na sua força e fé
E se olhar bem fundo até o dedão do pé
Eu apenas queria que você soubesse
Que essa criança brinca nesta roda
E não teme o corte das novas feridas
Pois tem a saúde que aprendeu com a vida.



Gonzaguinha

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Teus olhos fixos nos meus.
Me deu uma vontade de sorrir.
E eu ri, meio envergonhada.
Sem saber o que fazer tentando me aparecer pra que você notasse.
Não consegui ler as linhas nubladas de teu olhar.
Sou eu muito devassa, ou só notei o que você não disse?
Você é um mistério que me encanta.
Eu sei que estou insana e essa idéia me atinge como punhal.
E essa paixão descarada se mascara quando se intimida com teu olhar.
Há em você essa beleza inteligente, estranha.
Que me olha, me encara, me deixando nua.
Minha cabeça girando com idéias sobre você.
Sobre tua voz suave e teu corpo que me chama.
Sobre essa beleza e a tua compostura.
Uma postura de rei.
E estranhamente me apaixonei.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Qualquer um pode fazer qualquer coisa.

Ora, Deus criou a força de vontade!

Crescer dá trabalho.

A gente aprende a projetar um plano de ação pra nossa vida. E é frustrante.
E a gente nem pode usar mais as nossas asas e sair a voar pelo mundo nas manhãs de sol!


A gente sempre é mal compreendido.
Não importa com quantas letras você explicar, sempre haverá alguém que vai entender de outra forma e se magoar.

A gente tem que aprender a ganhar dinheiro.
Pra conseguir pouco, trabalhar muito. Essa é a regra.
E a maioria das vezes, as pessoas não fazem o que querem ou o que gostam, mas a sobrevivência é necessária, então julgam que a felicidade vem logo ali, do ladinho da conformidade.


A gente sempre acaba ficando triste.
Adulto tem mania de ficar triste com tudo. Inventou a depressão quando precisou chamar a atenção e conseguiu definí-la como doença. Adorou.
E ai começou a sentir isso por qualquer motivo.
Pela pobreza, pela guerra, pelo terremoto, pelo emprego, pela chuva, pela lama, pelo amor.

Ah, o amor...

Ainda tem isso, o coração entregue.
A gente entrega o coração pra alguém, e a partir desse momento, não importa quem seja e se você é correspondido, você nunca mais viverá seguro.
Sempre haverá perguntas ambulantes em sua cabeça; Se o outro te ama, se ele está feliz, se você o faz bem, se o sexo é bom, se ele pretende ficar com você por muito tempo...

Bendita hora que Deus inventou a infância!
A melhor fase da vida na terra.
Onde a gente só obedece papai e mamãe.
Sem responsabilidades, sem escolhas, sem renúncias.

Mas é esse perrengue que nos dá valor, moral, ética.
É ele que nos dá liberdade de seguir nosso caminho sem medo.
É ele que faz a insegurança do amor ser só um detalhe, e o amor ser um aprendizado que nos molda com a forma sublime de diamantes lapidados com sabedoria.
E tem muita gente grande que ainda não cresceu, que vive na asa do papai, que não sabe aprender com as durezas da vida, com a dor ou com palavras ásperas.
As pessoas crescem de tamanho de acordo com seu modo de vida.
Tem pessoas pequenininhas que são gigantes!
E pessoas com alma de criança, mas que sabem lidar muito bem com o mundo dos adultos.
Crescer é chato sim, e trabalhoso, mas constrói um caráter e formula uma vida de sucesso.










"Neste mundo não tem professor

Pra matéria do amor ensinar
Nem tão pouco se encontra doutor"

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Feliz aniversário.



Onde estão minhas bruxas, minhas ninfas aladas?
Onde estão minhas fadas, meus duendes e unicórnios?
Cadê os príncipes, os castelos e as princesas feitas de mel em minhas histórias açucaradas?
Onde está a magia dos magos encantados que me fizeram ter asas?
Onde está meu mundo vivo, colorido e que é fantástico e de alegria?
Onde estão os elfos que me tiram da agonia?
- A tua idade os assassina, minha filha. -
- E se eu tivesse esquizofrenia,
mesmo assim os mataria? -
É que eu vivo na esquisitice.
Tão diferente de tanta gente com pé no chão.
E meus contos de fada se desfazem em vão.
Pergunto onde eles estão?
E quando observo o mundo pelos meus olhos esquisitos,
lá estão.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Um desejo que se personifica em formas, sussurros e sentidos.
Uma olhadela pelo vão da porta, e a solidão a dois que não é muda.
Contornos facetados como cristais, que reluzem em meus olhos, cegando a razão.
Quiçá largos sorrisos desfoquem minha linha reta em tuas mãos.
Compro num suspiro o fôlego que não resiste a tua tentação.
Além dela, o amor que pulsa de nossos corações.
Um tum tum dourado inundado de cinquenta novas ilusões.
Parceladas em bocas que se juntam, se cruzam, matizes aguadas.
A ti meu corpo, minha alma,
Meu tudo.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

sábado, 16 de janeiro de 2010

Há na vaidade um veneno poderoso que envenena o próprio espelho.
Sem espelho sadio, quem é você?

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Era uma vez, numa terra muito distante, uma linda princesa independente e cheia de auto-estima que, enquanto contemplava a natureza e pensava em como o maravilhoso lago do seu castelo estava de acordo com as conformidades ecológicas, se deparou com uma rã.

Então, a rã pulou para o seu colo e disse: - Linda princesa, eu já fui um príncipe muito bonito. Mas uma bruxa má lançou-me um encanto e eu transformei-me nesta rã asquerosa. Um beijo teu, no entanto, há de me transformar de novo num belo príncipe e poderemos casar e constituir um lar feliz no teu lindo castelo. A minha mãe poderia vir morar conosco e tu poderias preparar o meu jantar, lavarias as minhas roupas, criarias os nossos filhos e viveríamos felizes para sempre...


E então, naquela noite, enquanto saboreava pernas de rã à sautée, acompanhadas de um cremoso molho acebolado e de um finíssimo vinho branco, a princesa sorria e pensava:

- Nem fo...den...do!




(Luís Fernando Veríssimo)

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

A morte.

Apesar de tudo,
a morte foi uma ilusão.
Tens que amá-la como ama a vida, pois a morte é renovação.
Tudo que se tem, tudo que existe, começa a morrer no instante que nasceu.
Pois nada é permanente.
Tudo está em contínua mudança, a cada instante, a cada momento.
Não poderia nem mesmo existir a permanência, porque o próprio conceito de permanência depende da existência da impermanência para ter algum significado.
Não se conhece o quente se não experimentar o frio.
Observa isto com atenção. Contempla esta verdade.
A morte é uma ilusão.
Nossas vidas serão eternas na memória de quem tocamos.
Assim seremos eternos;
Nossos nomes serão contemplados nas mentes de nossos netos.
Nossas fotos estarão nas estantes de nossos filhos.
A morte é tão somente um passo importante da renovação da vida.
Aonde deixamos de coexistir em dura carne, e passamos a existir em quentes corações.
Com carinho,
com amor.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Lágrimas na chuva.




Foram tantas as vezes que tentei te fazer ver a razão.
De mostrar a paixão que caiu como uma luva.
De te fazer entender o porquê dessa desilusão.
Mas foram como lágrimas na chuva.

Não viu a diferença da água que escorre para a água que morre.
Não quis perceber a dor do meu olhar.
Não quis ver a falta que a falta faz.
Só percebeu que a chuva caía devagar.

E cansada, desisti de te tentar.
Então foi você que chegou perto sem avisar.
Na minha vez de te dizer, de me mostrar e de te ter.
Eu não te quis, e eu nem sei o porquê.

Foi quando as lágrimas na chuva vieram de você.

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Sem mais,

Fique remoendo tua saudade ativista dentro de ti.
Das luzes que iluminaram teus anos que passaram.
Que eu vou livre seguir as tintas
Que começam a pintar um quadro em branco,
sem moldura.
Porque a minha vida é mais que um passado arrependido.
Não é como a tua.
A minha vida é um futuro promissor.
É amanhã viajar e pisar na lua.
Saudade pra mim é uma boa lembrança que ficou,
Pra você é um amor que ainda não passou.
E se nossas idéias continuam perpendiculares,
Vá em frente comigo,
ou continue de ré na tua solidão.
Sozinho.

Subconsciência egoísta.

Porque escravizar as pessoas numa opinião?
Ou isso ou aquilo. Escolha.
Eu posso discutir idéias altruístas tanto quanto egoístas defendendo os dois lados.
Posso gostar de Gandhi e de Bush.
Tudo é diferente, mas são os mesmos átomos, a mesma matéria prima do universo.
As diferenças são para unir, acrescentar, embelezar.
O cara que inventou a palavrinha "ou" fez muito bem em fazê-la tão pequena.
Porque é isso.
As coisas são minimamente diferentes.
Tudo vem da mesma essência, vive com o objetivo de sobreviver.
E mesmo assim, a gente vive a nossa vida inteira falando mal de tantas pessoas, e sem sequer lembrarmos que podíamos ser nós no lugar delas, a gente concorda com o falatório e se revolta, ou, morre rindo.
Quem nesse mundo consegue se destacar, sofre as consequências de um preconceito ridículo que todo (e quando eu digo todo me incluo nisso), todo o ser humano carrega cruelmente dentro de si.
Seria tão melhor se as pessoas fossem mais empáticas antes de falar;

Antes de falar mal daquele presidente,
Daquele músico que você chama de vagabundo,
Daquela atriz que você chama de gostosa,
Daquela menina que voou atrás de um amor.

E se for você o político e estiver fazendo O MÁXIMO, sem conseguir parar as bombas de ódio que as pessoas te enviam?
E se for o seu filho o músico e estiver se saindo muito bem, e lutando pelos seus objetivos sem se importar em passar trabalho, mas nunca conseguindo romper a ignorância de todos que o colocam invariavelmente na testa o título de "vagabundo"?
E se aquela atriz gostosa for a sua filha, uma moça muito bela, muito direita, inteligente e recatada, e você não achar justo que a tenham colocado esse rótulo?
E se a menina que voou for a sua esposa? Se ela tivesse ouvido todos os "nãos" para não ir atrás de você, você teria sido feliz?

Estranho como quando mudamos a perspectiva para o nosso lado, o preconceito some.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Aprendi.

Nenhum homem é digno de uma mulher.
Nenhum.
Mas toda mulher é generosa o suficiente para amar um homem.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010